sexta-feira, abril 14, 2006



Basicamente, não servimos para nada. Não bastasse a vergonha alheia das Janelas Verdes estarem fechadas durante Agosto ou a Janela de Tomar estar encerrada à chave por um senhor que foi almoçar e já vem, temos isto.
Pronto e em Espanha temos isto.
Sim, somos uma bela bosta… e não se ponham com merdas, somos, uma bela bosta, os piores inimigos de nós mesmos.

Ah e isto. A bela ironia.

4 Comments:

Blogger Miss Spring said...

o meu avo sempre que se irrita com a politica nacional (e as vezes nao sao poucas...) diz que o pior que nos aconteceu foi o 5 de outubro. Por vezes penso se nao tera razao... por outro lado, o que seria do caldo verde, do bacalhau, das alheiras e do galo de barcelos (como aquele, tao lindinho, que exportaste para roma!). Neste caso, é vergonhoso, mas mais vergonhoso ainda é um ministro da cultura (que preza tanto os seus tempos de lazer ao ponto de juntar os trapitos com uma corrente de ar cerebral, para poder espairecer da tanta filosofia que lhe ocupa a ialma!) nao ter o mais pequeno respeito pelos trabalhadores dos seus museus e nao os remunerar condignamente! Somos uma bosta, agora que penso melhor, sim somos mesmo uma bosta. Mais que nao seja pelos ministros e secretarios de estado da cultura que ja passaram pelos nossos governos!
Y viva l'Espana!

1:17 da tarde  
Blogger Tomé said...

não querendo alongar muito o tema, mas a razão da greve não é a remuneração (recebem a 200% se trabalharem no feriado) mas sim a simples obrigação de terem de trabalhar num feriado (ninguém lhes explicou ao que iam quando se candidataram ao emprego…). é tudo uma questão de tempo.

7:49 da tarde  
Blogger Miss Spring said...

olha que eu ia confirmar que eles recebem mais, nao quero discordar, mas nao era bem isso que o publico dizia sobre o assunto..os jornais enganam-se mas estava la escrito que nao recebiam nem um tostao a mais

6:32 da tarde  
Blogger feelipa said...

Somos uma bosta, sim senhora. Não haja dúvida. E os nossos jornalistas dizem uma verdade aqui, outra ali e no resto dão asas à sua imaginação.
Em relação aos pobres museus portugueses, e à vergonhosa situação, gostava apenas de salientar que:
- os funcionários de bilheteira e de vigilância trabalham por turnos e os dias de encerramento dos nossos museus são APENAS segundas-feiras, 25 de Dezembro, 1 de Janeiro, 1 de Maio e Domingo de Páscoa. Portanto, a questão nunca seria trabalhar num feriado, uma vez que isso já todos fazem habitualmente. A greve, ao contrário do citado na notícia, não é de sexta a domingo mas sim sexta e sábado.
-se alguém receber essa compensação por trabalhar num feriado, serão APENAS os funcionários do quadro do museu. Com o congelamento dos quadros da função pública, essa é uma realidade cada vez mais escassa. Reformam-se uns e não entram outros.
-gerir um orçamento não é tarefa fácil, sobretudo se esse orçamento for estupidamente reduzido e houver milhões de fogos a acudir.
-muitos dos nossos museus conseguem sobreviver e manter-se miraculosamente abertos ao público graças à boa vontade e à dedicação de pessoas sub-contratadas e exploradas.
-a situação é difícil e ingrata para quem se encontra nestas condições mas também para quem não encontra outra alternativa senão a de recorrer a estes esquemas.
-estes esquemas existem porque, como não será novidade para ninguém, a procura é MUITA, a oferta é REDUZIDA (pelo menos a oferta com contrapartidas financeiras). Acabamos por nos vender por menos, sobretudo quem precisa ou quem quer mesmo fazer alguma coisa.
-a tradicional Greve da Sexta-Feira Santa tem como objectivo reivindicar uma série de melhorias que não se resumem a "Não trabalhar num feriado".

11:11 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home